Banho: mais que uma rotina, a arte de se fazer bem

 

  

  

Um bom banho pode curar a fúria avassaladora do dia a dia: utilizá-lo como uma escapatória sensível, para um lugar onde só você poderá estar, talvez seja uma maneira de se reencontrar com a paz e a sofisticação de ser e sentir numa atividade simples e rotineira. | por Silvia Regina 

  

  

 O banho diário aprisiona, toma tempo por ser uma obrigação. No dicionário, dentre outros significados, tem-se que ele é o “lugar onde outrora se cumpriam as penas de trabalhos forçados”. Então, ir para o banho tem que ser algo saudável e gostoso. 

Saber aproveitar o momento desta atividade necessária pode transformá-lae na aliada perfeita do dia que precisa começar, terminar ou continuar bem. E a possibilidade de fazer dela um tempo para o prazer está na atenção dedicada ao ato. 

A chance do toque, do auto-reconhecimento, da exploração e contato com o nosso próprio corpo, permite a descoberta ou a redescoberta de quem somos ou nos tornamos, a partir de nossas escolhas e atitudes. 

Usar o banho como ponto de partida para tais reflexões pode parecer meio filosófico, mas acaba por colocar um pouco mais de amor próprio no convívio intimista que mantemos conosco. 

Um simples banho é capaz de nos colocar em contato direto com nossos cinco sentidos, todos entrelaçados e ao mesmo tempo voltados para a própria experiência do ser a partir do sentir. 

Tomar banho não é um mero ato de higienização, como faz pensar a pressa cotidiana. É, sim, a oportunidade de se tocar, de se ouvir, de se saborear, notar e sentir. Mexe-se, no banho, com os cinco sentidos a partir da água, que de saída nos oferece textura, temperatura e som, com sua fluidez. 

Nos adereços incorporados à higienização, formas, cores, sons, e odores, que suscitam sabores, são introduzidos dando a completude e o entrelaçamento dos sentidos na conquista da satisfação que a higienização oferece ao corpo e a ideia que fazemos de nós após ela: o bem estar. 

Proporcionar a si mesmo sensações inusitadas no cuidado da higiene pessoal, precisa de criatividade e boa intenção. Não interessa se o banho será de gato, tina, concha, ducha, banheira ou açude, o que interessa é a qualidade e o carinho dispensados à nossa própria existência. 

A vedete dos banhos

Muitos perfumes, formas e texturas: uma interessante proposta sensorial é trazida pela Natura, na nova linha Ekos para banho. Com a criação de sabonetes que exigem uma interação mais complexa por parte do banhista, os novos produtos merecem ser lembrados e recomendados por sua capacidade de colocar os sentidos em movimento. Encontre a sua textura e o seu aroma preferido e vá tomar banho! 

1. Natura Ekos sabonete de cupuaçu para fatiar 

2. Natura Ekos sabonete de cacau em gomos 

3. Natura Ekos esponja vegetal  

4. Natura Ekos sabonete de maracujá em pasta 

5. Natura Ekos sabonete de murumuru em lascas 

 

Sobre a autora: Silvia Regina de Jesus é doutoranda e mestra em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, graduada em Comunicação Social com ênfase em publicidade e propaganda e jornalista por opção. Além disso, pertence ao corpo editorial da Revista Nexi (Comunicação e semiótica/ PUC-SP) e é editora de Gostonomia,  escrevendo contos e reflexões sobre gosto: a capacidade de apreensão apreciativa da gente e das coisas. É autora de A sensibilidade inteligível do chocolate: uma análise do fazer estésico apreendido, cultivado e comunicado, dissertação encontrada em: Domínio Público.gov.br.[ http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=167688] / editoria@gostonomia.com.br