Skip to content

Sem medo de sofrer

 Por Marlise Borges,
em dezembro de 2010.

Final de 2010. Para mim, ano de mudanças, de atropelos, de surpresas e dissabores, mas também de vitórias. E como todo final de um ciclo, para iniciar outro, é preciso sempre acreditar, renovar as forças e amar sempre (sem medo de sofrer, parafraseando Paulinho da Viola).

Sendo assim, elegendo um de meus maiores gostos, para receber o ano de 2011, resolvi cantar. Cantar o amor, cantar a paixão e também a desilusão, cantar a paz, cantar a luz, cantar o segredo, cantar o sonho, cantar os sinais e cantar também o silêncio. Cantar, enfim, através de trechos de pérolas da MPB , de um tempo em que a música ainda era música, no sentido mais sublime da palavra. Abram, portanto, o coração, os olhos e os ouvidos, para os sons do universo, da poesia e da música.

“A Paz invadiu o meu coração… e eu pensei em ti, eu pensei em mim e chorei por nós. Mas vim parar na beira do cais, onde a estrada chegou ao fim, onde o fim da tarde é lilás e onde o mar arrebenta em mim o lamento de tantos ais”.

“E assim, repetindo os mesmos erros, dói em mim ver que toda essa procura não tem fim…o que é que eu procuro, afinal? Um sinal? Uma porta pro infinito irreal? O que não pode ser dito, afinal? Afinal…feito estrelas que brilham em paz…”

“Lembra dos beijos que escrevi nos muros a giz? Os mais bonitos continuam por lá, documentando que alguém foi feliz… lembra de mim? Se existe um pouco de prazer em sofrer, querer te ver talvez eu fosse capaz, perto daqui, ou tarde demais…lembra de mim?”

“Sentimental eu sou, eu sou demais! Vem, se eu tiver você no meu prazer, se eu pudesse ficar com você, todo momento, em qualquer lugar… vem, meu coração se enfeitou de céu, se embebedou na luz do teu olhar, queria tanto ter você aqui…”

“Não balancei o meu maracá, só soltei a voz no vento, querendo te avisar… me lembro do teu falar, que tem a força da água, batendo na beira-mar… no coração de quem ama sempre tem uma esperança, que faz os olhos falar… me banha com teu olhar…”

“Quem sabe o que é o amor? O fundo do mar sabe guardar segredo… eu vivo no sabor da maré, medo de amar, desejo…”

“Vem visitar meu sonho, vem me fazer dormir, vem me acordar num beijo, num tempo futuro, na primavera…”

“Ó meu grande bem, pudesse eu ver a estrada, pudesse eu ter a rota certa que (me) levasse até dentro de ti… (porque) és um luar, ao mesmo tempo luz e mistério… como encontrar a chave desse teu riso sério?”

Que o novo ano venha gostoso e prazeroso, com muito amor, muito sabor e muita luz em todos os caminhos!

Nam-myoho-rengue-kyo!

 

Sobre a autora

Marlise Borges é jornalista, musicista, arte-educadora, mestre e doutoranda em Comunicação e Semiótica, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP.

 

Canções – Intérpretes/Compositores:

A Paz – Gilberto Gil (Gilberto Gil & João Donato)
O silencio das estrelas – Fátima Guedes (Lenine & Dudu Falcão)
Lembra de mim – Ivan Lins (Victor Martins & Ivan Lins)
Dedicado à você – Zizi Possi (Dominguinhos & Nando Cordel)
Recado – Simone Almeida (Ruy Baldez)
Desejo – Nana Caymmi (Fátima Guedes)
Apaixonada – Gal Costa (Ed Motta & Nelson Motta)
Luz e Mistério – Zizi Possi ( Beto Guedes & Caetano Veloso)

 

1 Comentário »

  1. Meu abraço muito carinhoso pelo seu trabalho, Marlise. Sou sua leitora assídua.
    Incluo mais esta pérola de Ivan Lins e Abel Silva: “Acaso” cantada por Leila Pinheiro.
    “Não sei se o acaso quis brincar ou foi a vida que escolheu, por ironia fez cruzar o meu caminho com o seu…eu nem queria mais sofrer a agonia da paixão, nem tinha mais o que esquecer, vivia em paz na solidão… mas foi te encontrar e o futuro chegou como um presentimento, meus olhos brilharam, brilharam no escuro da emoção…não sei se o acaso quis brincar ou foi a vida que escolheu por ironia fez cruzar o seu caminho com o meu…”

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: