O risco como única saída em Crazy Ex Girlfriend

Em busca da felicidade e daquilo que realmente interessa, Bunch faz lembrar que arriscar é preciso


por Silvia Regina Guimarães

Se você já parou para pensar sobre os objetivos de sua vida e riu deles, mesmo que por um breve momento, a série Crazy ExGirlfriend, criada por Rachel Bloom e Aline Brosh McKenna (2015), pode cair no seu gosto.

Mais que um bom texto de comédia, a série traz a oportunidade da reflexão sobre as escolhas que determinam a vida e o entendimento de sucesso sobre ela; tudo desenrolado na pele e nos esquemas de Rebecca Bunch (Rachel Bloom) que, após uma crise de pânico, desencadeada pelo avanço significativo de sua carreira como advogada, reencontra inesperadamente um grande amor, o ex-namorado Josh Chan (Vincent Rodriguez III), e compreende que a busca pela felicidade deve acontecer de maneira honesta.

É nessa reviravolta de perspectivas e determinações, onde o risco precisa ser assumido, que Bunch troca Nova York por West Covina, Califórnia, e muda não somente sua vida mas a do ex-namorado, do círculo de amigos dele e dos novos colegas de trabalho.

Com piada pronta para tudo, inclusive sobre a condução da estória, interrompendo os diálogos com uma breve consciência da presença dos personagens em um show, a trama desenvolve números musicais hilariantes e fluentes, revelando muito da comédia de costumes e de personagem, propondo discussões significativas ao universo feminino, como a baixa autoestima, a busca interminável por uma aceitação preestabelecida por critérios sociais, o sucesso profissional e sentimental e o total desequilíbrio em atitudes exageradas por conta das paixões, todas elas.

Gostar da série que nos toma pela vergonha alheia acaba sendo inevitável além de se tornar um alívio à crítica diária sobre nosso comportamento e o dos outros. É a compreensão de que a vida feliz não está nas regras, mas nas exceções, nas rupturas. O risco do ridículo faz parte da estratégia de quem tem coragem para tanto.


Crazy Ex Girlfriend é uma série estadunidense dona de significantes premiações em 2016, incluindo Globo de Ouro de melhor atriz em série de comédia ou musical para Rachel Bloom. Está em sua terceira temporada, mas, no Brasil, tem somente a primeira disponível de maneira oficial pelo Netflix.