Hotel Mariana: da lama à arte

Hotel Mariana ensina o que é o verbatim e reaviva a dor da tragédia com amor

 


Talvez você nunca tenha ouvido falar em verbatim, mas é assim que a peça teatral Hotel Mariana, de Munir Pedrosa, com direção de Herbert Bianchi, recompõe o drama vivido pelos sobreviventes do maior desastre ambiental brasileiro.

Com o cuidado de quem repete ipsis litteris o que foi colhido em depoimento, o teatro verbatim é um documentário encenado que, com o auxílio de fones de ouvido, permite ao ator repetir precisamente o que foi dito; no caso de Hotel Mariana, a técnica britânica faz reviver as histórias de alguns personagens que nos emprestam suas perdas como lembrança de que pouco foi feito pelo Vale do Rio Doce, após o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, em Mariana – MG.

Sem rancor, Hotel Mariana traz à tona a fala delicada e cheia de prosódia do herói local, da poetiza, do folião, da criança, do político, do ativista ou das moças, uma preocupada com os pais, outra com os filhos. Constrói na graça e na desgraça dessas experiências narradas, como em uma conversa, a sensibilização sobre o fato e a vida desde então. Toca a alma da plateia com um detalhamento imposto pela linguagem nua, desprovida de maiores arranjos cênicos, forçando a condição da escuta, tão capaz de impulsionar a imaginação e completar todas as lacunas com a compaixão, talvez, já esquecida pela ausência do assunto nas mídias.

É preciso ouvir e falar sobre Mariana. É preciso verificar como estão e se serão novamente os distritos de Paracatu de Baixo e Bento-Rodrigues.

 

Hotel Mariana

Estação Satyros

Praça Roosevelt, 134

Até 10/07/2017

Sábados e segundas às 20h e domingos às 18h

 

Ficha Técnica

Idealização e pesquisa: Munir Pedrosa

Direção: Herbert Bianchi

Elenco: Angela Barros, Bruno Feldman, Clarissa Drebthinsky, Fani Feldman, Isabel Setti, Lucy Ramos, Marcelo Zorzeto, Munir Pedrosa, Rita Batata, Rodrigo Caetano

Compartilhe: